Domingo passado começou o documentário “Mondovino – A Série” na Band. Praticamente sem divulgação e nem barulho na mídia, apenas sendo divulgado entre a comunidade enófila na internet, esse documentário é prá lá de interessante. Será apresentado em 8 episódios e já foi exibido em mais de vinte países, dando continuidade ao famoso documentário de Jonathan Nossiter, porém desta vez apresentado pelo empresário apaixonado por vinhos, Ciro Lilla da Mistral.

Já no primeiro episódio, vinhos brasileiros. Sim acredite, já no primeiro episódio é abordado a cultura e o contrate entre a produção artesanal e a indusatrial de vinhos no Vale dos Vinhedos. Entre as vinícolas que apareceram foram: Vallontano, que foi a protagonista com várias entrevistas, Dal Pizzol, Casa Valduga, Miolo e Salton. Achei bem legal a produção, feita de modo quase amador, deixando os entrevistados bem à vontade.

Abaixo segue a agenda dos demais episódios:

  • “Família Montille”
    O capítulo destaca a família Montille, adepta do não-intervencionismo na produção de vinhos, e aborda outros pequenos produtores de Borgonha, que elaboram vinhos excelentes de maneira quase artesanal, sem recursos tecnológicos.
  • “A família norte americana”
    São apresentadas duas famílias produtoras de vinho na California: os Mondavi, grandes produtores e cujo patriarca, Robert Mondavi, foi o maior personagem do vinho nos Estados Unidos, e os Stagling, família rica que produz vinhos por hobby.
  • “A cultura bio-dinâmica e o respeito pela natureza”
    O episódio aborda o terroir e o vinhedo em oposição à influência do enólogo. O enólogo mostrado, de maneira muito polêmica, é Michel Rolland, muito querido no mundo do vinho, cujo trabalho é muito valorizado.
  • “Robert Parker”
    Advogado americano que há mais de 20 anos faz críticas de vinhos, dando notas na escala de 100 pontos. Para publicar suas avaliações, ele criou uma newsletter, que é a publicação mais influente do meio e faz com que notas altas garantam boas vendas e más notas, destruam os vinhos.
  • “Rosenthal x Parker, técnica x terroir, elegância x potência, vinho velho x vinho jovem”
    O capítulo revela algumas das maiores controvérsias do mundo de vinho. De um lado, o importador americano Rosenthal defende a tipicidade e a identidade dos vinhos, que devem refletir o terroir. Do outro lado, Parker afrma que a técnica e o papel do enólogo são mais importantes do que o terroir.
  • “Mondavi x Frescobaldi x Antinori”
    São retratadas algumas importantes famílias do Novo e do Velho mundo que se associaram para produzir vinhos nos dois continentes, revelando disputas familiares, egos e diferentes interesses.
  • “Mercosul, Michel Rolland, nome família x nome enólogo”
    No último capítulo da série são apresentadas vinícolas tradicionais vendidas para grandes grupos, famílias que trocaram seu nome no rótulo pelo nome do enólogo e também as regiões ainda sem tradição na América do Sul, como o Vale do São Francisco e o Paraguai.
Todo domingo, na Band, às 00:30hs.
Dureza é o horário, mas já assisti o primeiro e vale a pena!

QUER SABER MAIS? DEIXE AQUI SUA DÚVIDA OU COMENTÁRIO!