E lá vamos nós para mais um vinho da Confraria Brasileira de Enoblogs. Não sabe o que é? Leia aqui.

Esse mês a escolha foi do meu confrade e amigo Daniel Perches do blog Vinhos de Corte, que sugeriu como tema um vinho tinto de corte de 3 uvas, sendo assim escolhi um uruguaio, o Bouza Trilogia. É um corte interessante de 50% tempranillo, 25% merlot e 25% tannat e passa 9 meses em barrica, alias bem raro ver a tempranillo em um corte de vinho uruguaio, só mais raro do que ver vinhos uruguaios em quantidade nas prateleiras por aqui.

Um vinho de cor rubi de média intensidade e aromas discretos de couro, fumo, terra molhada, tostado e a fruta negra em segundo plano. Na boca tem corpo médio, boa acidez, taninos finos, mas rústicos, tudo num conjunto muito equilibrado e elegante, sem arestas. Um vinho sem muita complexidade mas muito bem feito.

Esse produtor tem uma história especial para mim – foi o primeiro vinho que dividi com um grande sujeito, o João Felipe Clemente, lá na Granja Viana num almoço de meio de semana, descompromissado.

Boa lembrança de uma amizade nascida do vinho.