Falar de qualidade dos vinhos de Pablo Morandé é ser repetitivo. Esse homem é uma verdadeira lenda no Chile, por desbravar regiões desacreditadas por muitos, como o Vale de Casablanca, que hoje representa uma das grandes regiões produtoras de vinhos brancos do país.

Mas Pablo quer mais, quer descobrir outros territórios, mas para isso, passou seu bastão para um jovem enólogo, chamado Ricardo Baeting. Ele estudou no Chile, trabalhou na Errazuriz e depois passou temporadas trabalhando nos EUA e terminou seus estudos na Italia onde também trabalhou para Marchesi de Frescobaldi. De volta ao Chile, desde 2010 é responsável pelas novas safras dos ótimos vinhos dessa vinícola chilena.

morande02

Entre uma taça e outra, Ricardo nos contou que Pablo adquiriu recentemente uma nova área de cultivo e descobriu nada menos que um vinhedo de malbec de cerca de 50 anos. Ele colheu e vinificou e em dois anos a Morandé lançará esse malbec. Disse que é um malbec muito especial. Alguém ainda duvida do faro desse Pablo Morandé?

No almoço promovido pela importadora Expand, provamos os excelentes vinhos tintos Morandé Carignan Edición Limitada e House of Morandé, mas quero falar dos brancos, tão desprezados por muitos, mas que espero que esse cenário mude com o nível de qualidade que vem apresentando.

Provamos 3 vinhos brancos, que com certeza deixariam seu almoço ou jantar luxuosamente harmonizado:

morande04

Para a entrada

Morandé Reserva Sauvignon Blanc 2011 (R$ 65)
Feito na região de Casablanca se segundo o enólogo, a colheita de 2011 foi uma das mais frias. Um vinho de aroma muito mineral, cítrico, leve herbáceo e um toque de borracha. Na boca é bem seco, citrico e de acidez bem alta. Par perfeito para os frutos do mar.

Para o prato principal

Morandé Gran Reserva Chardonnay 2010 (R$ 89)
Foi fermentado 100% em tonéis franceses de 2000 e 4000 litros. Um chardonnay muito elegante e bem feito com bastante fruta tropical e a baunilha de leve. Na boca tem corpo médio, bem frutado, ótima acidez e o toque amanteigado vindo do estágio em madeira bem integrada sem roubar a cena.

Para a sobremesa

Morandé Late Harvest 2008 (R$ 65)
Já provei e gosto muito. Um vinho de sobremesa feito de uvas sauvignon blanc botritizadas. Aroma bem intenso de frutas cristalizadas e mel, doçura equilibrada e um leve amargor no final sem comprometer.

Quer um jantar diferente? Eu apostaria no branco.

QUER SABER MAIS? DEIXE AQUI SUA DÚVIDA OU COMENTÁRIO!